quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Presidente ou Presidenta?

        
 Algo me intrigava há algum tempo, como se deve dizer, presidente ou presidenta? Qual é o certo? Fui atrás, perguntei primeiramente para um aluno de jornalismo: Qual forma você julga certa, presidente ou presidenta? Sua resposta foi rápida e convicta; Bom, a imprensa há um bom tempo utiliza a forma "presidenta", pois a então presidente Dilma Rousseff desde sua posse vem utilizando-a, a imprensa (para reforçar a ideia de Dilma) passou a utilizá-la também. Outro fator que implica nessa mudança é importância que esse cargo tem para um país, por isso permitiu-se tal mudança. Penso que futuramente a língua portuguesa aceitará a forma presidenta, isso se for bem aceita pelos falantes da língua. Particularmente, já aceito e utilizo "presidenta".
Fiz a mesma pergunta a alguns docentes e discentes da Faculdade de Letras, suas respostas foram diretas e conscientes; o fato de haver uma mulher no cargo de presidente de um país (por mais que seja a primeira vez na história desse país, ou seja, um marco histórico)  não quer dizer que devemos mudar o gênero da palavra. Se fosse assim, poderíamos sair mudando as palavras de gênero neutro para masculino e feminino. Portanto, não é certo dizer que "presidenta" é o nome que se dá a uma mulher que governa um país, ou da mesma forma "presidento" (para o homem). Sendo assim, as palavras terminadas em "-ente" e "-ante" são neutras e bastam por si só, distinguem masculino ou feminino, essa marcação (a de gênero) é feita através do artigo que a antecede.
E você já, pensou nisso? Depois dessa explicação um pouco rápida, qual seria sua resposta? Fica a pergunta.

Por
Kenedy Miguel O. Yamada

9 comentários:

  1. A utilização,ou não, da alteração de gêreno da palavra 'presidente', vai além de uma questão linguística ou social, acredito aprofundar também em questões econômicas.
    Justificar uma mudança na língua por questões feministas não é apenas um ato de machismo,mas também uma exclusão de cargos. 'Presidenta' ou 'presidente' não altera o valor do cargo de quem preside nossa nação. Concordo que por ser a primeira vez que nosso Brasil recebe uma mulher como a autoridade máxima do Poder executivo e da República, essa merece sim destaque por tamanha conquista, porém, não há razões sólidas para adaptar a língua à ela visto que, nesse caso, o que determina o gênero é o artigo. E ainda que falantes da língua portuguesa argumentem que a presidente merece ter algo que a particularize, volto a defender que isso seria uma exclusão social e econômica,pois em determinada épóca somente os homens poderiam ser estudantes, e quando as mulheres realizaram a conquista estudantil, a língua não adaptou-se à elas.
    Portanto, se a presidente 'merece' ser chamada de 'A Presidenta', revoltemos-nos com a língua por exlcuir a ascensão da mulher no campo escolar, e iniciamos então o uso de ' A estudanta', seguindo o exemplo redundante de 'A Presidenta'.

    ResponderExcluir
  2. Samanta Ponce Leon21 de agosto de 2011 20:04

    Atribuo esta polêmica a teoria do valor em Saussure, exemplificada por ele através da analogia do jogo de xadrez. Onde o valor de cada peça não é determinado por sua materialidade, ele não existe em si mesmo, mas é instituído no interior do jogo.
    Não importa se as peças são de ouro, de prata, ou de plástico, não é a materialidade das peças que determinam seu valor. Se por acaso perdêssemos a rainha, poderíamos substituí-la por uma tampinha de refrigerante e esta cumpriria com o papel da dama. Pois ela exerceria a função atribuída ao seu valor.
    Diante disso percebemos porque estamos a discutir sobre se falar ou não 'presidenta', mas o mesmo fato não ocorreu com 'estudanta'. Pois as regras do JOGO DA VIDA, mostram que, o valor da RAINHA, está descomunalmente superior ao do peão, por exemplo.
    As mulheres evoluíram notoriamente nos últimos anos, várias foram suas conquistas em resposta a sua luta. Conquistando direitos de contrato, direitos de propriedade, direitos ao voto, direitos sobre seu próprio corpo.
    Conquistar sua presença dentro das escolas, das faculdades, do mercado de trabalho,foram passos fundamentais a evolução de nossa História.
    Mas na hierarquia de nossa sociedade ocidental o valor do cargo que nos paralisa obrigatorimente de 4 em 4 anos para elegermos quem nos governará , faz deste os REIS de nosso jogo.

    ResponderExcluir
  3. Entrando na deixa dos comentários da Samantha Lopes e da Samanta Ponce, eu percebo duas tendências interessantes: 1ª a língua não segue uma direção ou não generaliza as regras de estruturação, por isso, que independentemente de falarmos ou não "presidenta", não precisaremos passar a falar "estudanta" ou "gerenta", embora seja muito antigo o emprego de "parenta", até mais antigo que seu uso no programa Sai de baixo; 2ª a imposição de uma regra depende e segue o peso de seu valor linguístico, o qual é determinado pelo peso do valor social, cultural e ideológico em torno do signo linguístico, que é sempre ideológico. E como bem foi acentuado nos comentários quem controla a balança do poder político-econômico dita a regra de uso da língua, seja ela qual for. Por isso que o sempre tão intransigente guardião da língua portuguesa, Prof. Pasquale Cipro Neto disse que "pode-se dizer “a presidente” ou “a presidenta”. A esta altura alguém talvez já esteja dizendo que, por ser a primeira presidente/a do Brasil, Dilma Rousseff tem o direito de escolher. Sem dúvida nenhuma, ela tem esse e outros direitos. Se ela disser que quer ser chamada de “presidenta”, que seja feita a sua vontade -por que não?
    A Rainha do Brasil dita a regra e o Rei da Língua referenda e abençoa. As autoridades autorizam e nós... aceitamos, nã porque exigimos ou desejamos, siplesmente porque nos sentimos autorizados a aceitar.

    ResponderExcluir
  4. Bem, eu acho que este termo cunhado em português, é muito comum em outros lugares do mundo. Cristina Kirchner, presidenta da Argentina, tem seu título em espanhol igual à variante de gênero em portugues desde 2007.

    ResponderExcluir
  5. Em francês, existe a distinção do verbete président (masc.)e présidente (fem.)demonstrando que nas língua neolatinas, os gêneros são distintos.

    ResponderExcluir
  6. Olá, pessoal!Caso vocês queiram dar uma olhada,nestelink:http://palavrastodaspalavras.wordpress.com/2011/01/25/a-presidente-ou-a-presidenta-por-prof-pasquale-cipro-neto-sao-paulo/

    É muito bom, trás uma opinião sobre presidente ou presidenta!!!
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Olá, pessoal! Desde o meio do semestre a profesora Tânia havia passado-me uma tarefinha, postarei agora a pergunta e a resposta:
    Termo: President ou na Presidenta?Qual das formas devemos utilizar?
    Resposta: Tais expressões estão condicionadas a um fato linguístico inerente á classe gramatical represntada pelos substantivos, mais precisamente no que se refere a uma de suas flexões, o gênero. E ao tratar-se deste assunto percebe-se que há divergência de opiniões entre renomeadas gramáticas.
    Celso Culnha: ressalta o feminino(relativo a presidenta)ainda apresenta-se com curso restrito no idioma, em tratando-se do Brasil.
    Evanildo Bechara e Luís Antônio Saccani:admitem como corretas as duas formas.
    João Ribeiro : afirma que o uso de forma feminina em -enta dos nomes -ente, como: presidenta, almiranta, infanta, tem-se pouco generalizado.
    Domingos Paschoal Cegalla: revela que "presidenta" é a forma correta e diconarizada, ao lado de presidente.
    Divergências deixadas a parte,o fato é que forma "a presidente", está correta, justamente pelo fato de integrar ao caso relacionado aos substantivos denominados comuns de dois gêneros.Portanto podemos perfeitamente dizer "a presidente(a).
    Assim, em meio a tantos posicionamentos, há que citar um em especial, retratado pelo VOLP (Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa)revelando que o substantivo pode perfeitamente ter sua forma flexionada, ou seja, é correto também dizermos presidenta(e).
    Desta forma o que mais interssa-nos, é saber qual das duas formas estão corretas, não é verdade? Pois bem,as duas estão de acordo com o padrão formal da linguagem.Logo, empregar esta ou aquela é opção de cada usuário.
    Abraços, pessoal!

    ResponderExcluir
  8. Pessoal, peço que desculpem-me pela escrita da palavra" professor", com um "s".Como digitei rápido, não percebi, quando percebi já havia postado e nãos sei como faço para corrigir minha postagem.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  9. Ok, Caruline, está perdoada por tudo. Gostei da análise que você apresenta. Como eu disse, vc tem potencial, só precisa mostrar. Abraços.

    ResponderExcluir

Este blog foi criado para promover o debate e a prática da escrita principalmente entre estudantes de graduação. Todo e qualquer comentário é muito bem vindo, desde que seja respeitoso e que contribua para o crescimento intelectual e social de tod@s. Portanto, não serão tolerados desrespeitos nem agressividades.